Adolescentes estupram crianças de 5 e 7 anos.

Três adolescentes estupram duas meninas, uma de sete e outra de cinco anos dentro de ônibus escolar em Formoso do Araguaia, no Tocantins. Elas foram beijadas, molestadas e penetradas pelos adolescentes pedófilos.
Uma adolescente de 11 anos foi encarregada de levar as duas crianças para o fundo do veículo, onde ocorreram os abusos sexuais.
O estupro de vulneráveis coletivo teria acontecido no mês de junho, mas somente agora a avó da vítima de 7 anos procurou a polícia. Mesmo com o atraso na denúncia, o laudo do exame de corpo delito comprovou o estupro. A avó poderá ser intimada por negligência. De acordo com a delegada que está à frente do caso, Aurea Batista Ferreira, foi pedido ao MP (Ministério Público) na última sexta-feira (21/08/2015) a apreensão desses jovens pedófilos estupradores, porém o órgão ainda não proferiu a decisão.
Os estupradores foram reconhecidos por testemunhas e uma delas teria ouvido o grupo adolescentes abusadores ameaçar dizendo que caso alguma coisa acontecesse, eles iriam atrás, como vingança, dos dois estudantes que fizeram o reconhecimento e também do motorista que conduzia o ônibus na hora dos estupros de vulneráveis. O motorista afirmou à polícia que não falou nada sobre o caso por ter sido ameaçado. Uma testemunha confirmou as ameaças. Mesmo assim, a Prefeitura de Formoso do Araguaia, dona do ônibus, afastou o motorista e colocou um cuidador para acompanhar os alunos no ônibus escolar. Segundo a delegada, os adolescentes estupradores teriam ameaçado também a mãe da vítima molestada de cinco anos. A família da menina estuprada de 7 anos se mudou para o Estado de Goiás. Já a família da criança estuprada de 5 anos continua na cidade, mas a leva para a escola pessoalmente. Os adolescentes pedófilos estupradores continuam frequentando as aulas e usando o transporte escolar. Nenhum deles tinha passagem pela polícia, mas apresentavam comportamento problemático. O trajeto do veículo escolar consiste em levar os estudantes moradores do assentamento Pirarucu para a unidade escolar.
Uma parente de uma das vítimas de estupro de vulnerável contou o drama e a sequela que precisará ser tratada. “Ela vai ter acompanhamento de psicólogo. Eu quero apenas que eles sejam punidos pelo que fizeram”, comentou.